Últimas Notícias #COMPARTILHE

4167
836

6537
artigos
comentários

22/04/2014 - área militar, terá demolições para abrir BRT

Postado por militaresbrasil em 22/04/2014 | 20:43

Maior área militar da América Latina terá demolições para abrir BRT

Transolímpica derrubará unidade inteira e atingirá edificações em três quartéis na Zona Oeste

 CHRISTINA NASCIMENTO FONTE - ODIA
Rio - Por causa do corredor de ônibus Transolímpica, a região com a maior concentração de unidades militares da América Latina vai sofrer baixas. A primeira delas já foi definida: o Quartel da Polícia do Exército (PE), em Magalhães Bastos, que tem 500 homens. O espaço, orçado em pelo menos R$ 20 milhões, vai ser demolido para dar lugar a um trecho do BRT. E não será o único.
Segundo o secretário municipal de Obras, Alexandre Pinto, outros três quartéis vão perder uma parte da sua área para a via expressa, e 24 casas de soldados e cabos vão abaixo e serão reconstruídas na Estrada do Camboatá, em Deodoro.
O secretário, no entanto, faz mistério sobre o valor que a prefeitura vai pagar pelo quartel da PE. A área não pode ser desapropriada, como ocorre com residências e comércio, porque é da União. “Isso (quantia a ser paga) ainda está sendo negociado”, afirmou o secretário, que garantiu que a desocupação do quartel não deverá ser de imediato. A previsão é o final do ano. Segundo ele, a decisão de comprar o espaço impediu que cerca de 300 casas de moradores de Magalhães Bastos fossem demolidas. O BRT vai ligar a Barra a Deodoro. 

O quartel da Polícia do Exército, em Magalhães Bastos: espaço, que tem 500 homens e está orçado em R$ 20 milhões, vai ser demolido para dar lugar a um trecho do BRT
Foto:  José Pedro Monteiro / Agência O Dia

Na lista dos quartéis que serão cortados pelo corredor estão o 25º Batalhão Logístico, que vai ficar sem a garagem dos carros de combate e a subestação de energia; o Parque Regional de Manutenção; e a Escola de Equitação do Exército. “Nesses casos, estamos desenvolvendo projetos e reconstruindo o que for usado para o BRT. São contrapartidas da prefeitura. Isso só foi possível com muita parcimônia do Exército, que junto a seus oficiais foram conduzindo as negociações para a gente chegar a um denominador comum”, afirmou Pinto. 
O corredor terá 23 quilômetros e vai passar por Barra, Recreio dos Bandeirantes, Camorim, Curicica, Taquara, Jardim Sulacap, Magalhães Bastos, Vila Militar e Deodoro. No início do mês, O DIA mostrou que na região da Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, a prefeitura vai extinguir uma área da Mata Atlântica, que equivale a aproximadamente 20 campos de futebol.
Um dos pontos de conflito do BRT é a Igreja de São José, na Rua Salustiano Silva, em Magalhães Bastos. Apesar de o secretário negar que o traçado passará pelo salão paroquial, moradores temem que a demolição acabe ocorrendo durante as obras. “Vamos aguardar para ver se a prefeitura vai cumprir o prometido. O que incomoda é que só somos avisados em cima da hora”, afirmou o presidente da Associação de Moradores de Magalhães Bastos, Rogério Silva, de 47 anos.

O prédio do 25º Batalhão do Exército vai perder a garagem de carros de combate e a subestação de energia
Foto:  José Pedro Monteiro / Agência O Dia

Cerca de 600 foram salvas de despejo 
A escolha de passar o corredor de ônibus por quartéis teria poupado, desde o projeto executivo da obra, segundo a prefeitura, cerca de 600 moradias de desapropriações. Apenas nove imóveis terão que ser removidos, o que não é um alento para quem foi escolhido para deixar sua casa ou comércio. É caso de Francisco Inácio, de 68 anos, que tem uma farmácia na Rua General Canrobert da Costa, em Magalhães Bastos.
Há 35 anos com ponto no mesmo endereço, ele teve uma proposta da prefeitura no valor de R$ 190 mil. O dinheiro, no entanto, não seria suficiente para arcar com os prejuízos da mudança. “O corredor de ônibus é um benefício para muita gente. Mas sair do local onde se está há tanto tempo mexe muito com o emocional. Fora que aqui a gente tem uma clientela antiga”, afirmou Inácio. O posto do Detran, na Rua Salustiano Silva, também terá que sair em prol do Transolímpica. Segundo o secretário municipal de Obras, Alexandre Pinto, o terreno é do Exército, que cede o espaço para o estado..

21/04/2013 - BRASIL: Comissão cancela doação de aeronave da FAB para o Equador

Postado por militaresbrasil em 21/04/2014 | 08:06

BRASIL: Comissão cancela doação de aeronave da FAB para o Equador

c-115_1Equador desistiu de avião, que é operado por poucos países.
A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional aprovou, na quarta-feira (9), o Projeto de Lei 6644/13, do Executivo, que cancela a doação de uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) para o governo do Equador.
O governo colocou à disposição do Equador um C-115 Buffalo, turboélice de fabricação canadense, mas o país vizinho desistiu de receber a aeronave.
Os C-115 foram comprados entre 1968 e 1970 e utilizados para várias missões militares na Amazônia. Eles foram substituídos por aeronaves C-105 Amazonas comprados da Espanha.
A doação para o Equador foi autorizada em 2011, mas o país perdeu o interesse na aeronave. Relator da proposta, o deputado Vitor Paulo (PRB-RJ) destacou que o C-115 Buffalo é operado por poucos países, por isso, não há mercado para os componentes. Com a desistência do Equador, o governo decidiu revogar a lei (12.442/11) que autoriza a doação.
FONTE: Câmara dos Deputados

06/04/2014 - Forças Armadas perdem 653 Oficiais

Postado por militaresbrasil em 06/04/2014 | 16:22

Forças Armadas perdem seus cérebros

Baixos salários e atraso tecnológico fazem com que 653 oficiais da elite militar do país pendurem as fardas

Lucas Souza - VEJA
O ex-capitão Victor Dalton
O ex-capitão Victor Dalton (Cristiano Mariz/VEJA)
Aos quinze anos, o baiano Victor Dalton já tinha o desejo de seguir a carreira militar. Deixou a casa dos pais em Porto Seguro (BA) e viajou sozinho a Campinas (SP) para ingressar na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, em 1999. Após uma passagem na Academia Militar das Agulhas Negras, foi aprovado no vestibular de engenharia da computação do Instituto Militar de Engenharia (IME), um dos mais difíceis do país. “Recebi uma promoção para o posto de capitão quando me formei. Sempre gostei do meu trabalho. Mas, depois que me casei, os gastos aumentaram e eu tive de dar um jeito na situação”, conta. Victor tinha onze anos de Exército, e pouco mais de um ano de casado, quando decidiu batalhar por outro emprego. Quando passou no concurso para ser analista legislativo na Câmara dos Deputados, seu salário triplicou, de pouco mais de 5.000 para 16.000 reais. 
A história do ex-capitão ilustra a fuga de cérebros que atinge as Forças Armadas brasileiras. Nos últimos três anos, outros 652 oficiais pediram baixa das três Forças. A debandada aumentou 63% de 2011 a 2013. Esse grupo inclui a elite militar do país, formada em centros de excelência, como o IME e o ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica). O número de engenheiros que deixaram a farda, por exemplo, cresceu 153% e chegou a 92 no ano passado. Só no primeiro mês deste ano, outros onze já abandonaram a carreira militar em busca de salários maiores na iniciativa privada e de uma ascensão profissional mais rápida. No total, restam pouco mais de 1.700 engenheiros entre os mais de 500.000 militares brasileiros.
Essa “deserção” tem impacto direto em grandes projetos no país com participação dos militares, seja porque nenhuma empreiteira se interessou ou porque as empresas contratadas não conseguiram cumprir o contrato. Obras como a construção da BR-163 (que liga o Pará ao Rio Grande do Sul) e a recuperação da BR-319 (do Amazonas a Rondônia), tocadas por batalhões de engenharia do Exército, foram paralisadas por problemas operacionais. A primeira apresentou “deficiência” no projeto de execução, enquanto a segunda teve falhas no estudo do impacto ambiental, de acordo com o Tribunal de Contas da União. 
Jefferson Coppola/VEJA

O ex-coronel da FAB Nehemias Lacerda
Uma das promessas da campanha presidencial de Dilma Rousseff em 2010, a transposição do Rio São Francisco tornou-se um verdadeiro vexame para a gestão petista e para os militares brasileiros. Até o projeto básico de um trecho sob responsabilidade do Exército, o da Bacia do Nordeste Setentrional, foi considerado deficiente pelo TCU. Para a realização de um projeto hidroviário no rio, o governo teve de contratar, em 2012, o Exército americano.
Outro fator de preocupação é a defesa cibernética brasileira. Embora um centro militar de estudos no setor tenha sido criado em 2012, o país permanece frágil perante os ataques. Apenas no ano passado, os sites da Polícia Federal, Senado, IBGE, Ministério dos Esportes, Cultura e Cidades foram atacados e deixados momentaneamente fora do ar. O próprio ministro da Defesa, Celso Amorim, chegou a ressaltar a dificuldade de manter profissionais dentro das Forças. “Precisamos ter formação de pessoal e garantir que eles continuem trabalhando para nós. Frequentemente se ouve sobre alguém que era muito bom e foi trabalhar em uma multinacional”, afirmou em novembro.
A questão salarial é, de fato, um dos motivos que levam a essa fuga. Em 2000, um capitão da Marinha ganhava o equivalente a dezoito salários mínimos. Hoje, o poder de compra caiu pela metade. Enquanto isso, a revolução tecnológica e o fenômeno das start-ups também atraem os profissionais mais qualificados para a iniciativa privada. “Conforme eu crescia na hierarquia militar, passei a receber atribuições administrativas. Mas a minha vocação era trabalhar como pesquisador”, conta o ex-coronel da FAB Nehemias Lacerda. Formado em engenharia pelo ITA, depois de trinta anos na Aeronáutica ele decidiu abrir sua própria empresa. Na carteira de clientes em busca de soluções de engenharia estão Embraer, Vale, Votorantim e multinacionais como General Motors, Ford e Philips.
A competição entre a carreira militar e a iniciativa privada é uma guerra desigual, com enorme vantagem para o campo adversário das Forças Armadas. Neste ano, o Ministério da Defesa foi o que sofreu o maior corte entre as pastas. O orçamento caiu de 4,5 bilhões em 2013 para 3,5 bilhões de reais neste ano. A perspectiva de grandes inovações vindas dos militares é tão distante quanto as suas principais realizações – como a primeira transmissão de telégrafo no país, em 1851, na Escola Militar do Rio de Janeiro.

03/04/2014 - Brasil é último no ranking de retorno de tributos à população

Postado por militaresbrasil em 03/04/2014 | 22:49

Brasil é último no ranking de retorno de tributos à população

AGêNCIA BRASIL 03/04/2014 17h19
 


Pelo quinto ano seguido, o Brasil ficou na última posição do ranking de retorno de tributos à população. Segundo estudo divulgado hoje (3) pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), o país é o que menos retorna serviços públicos de qualidade em relação a impostos, contribuições e taxas arrecadadas.
O levantamento comparou 30 países e verificou o bem-estar da população, medido pelo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), em relação à carga tributária – proporção dos tributos sobre o Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país). O Brasil ficou em 30º, atrás de vizinhos como Uruguai (13º) e Argentina (24º).
Os dados sobre a carga tributária são da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), e o ranking do IDH é das Nações Unidas, que trabalharam, nos dois casos, sobre números de 2012, que são os mais recentes.
Estados Unidos, Austrália e Coreia do Sul ocuparam as primeiras colocações, sem mudança em relação ao ranking anterior. As maiores variações foram registradas pelo Japão, que caiu de quarto para sexto, e Bélgica, que saltou de 25º para oitavo, porque reduziu a carga tributária de 44% para 30% do PIB e manteve a qualidade dos serviços públicos.
No Brasil, a carga tributária correspondeu a 36,27% do PIB em 2012, segundo o IBPT. O número é superior aos dados oficiais da Receita Federal – 35,85% em 2012 – porque o IBPT considera o pagamento de juros, multas, correções e custas judiciais de dívidas de contribuintes com o setor público. A carga tributária de 2013 só será divulgada no fim de 2014.
De acordo com o IBPT, o indicador de retorno equivale à média ponderada entre a carga tributária e o IDH de cada país. O instituto atribuiu peso de 15% para a carga tributária e 85% para o IDH. Para o instituto, o Brasil só melhorará no ranking se aplicar os recursos pagos pelos contribuintes com mais eficiência. Por meio da assessoria de imprensa, a Receita Federal informou que não comentará o estudo.

obs do blog:   Parabéns a todos os brasileiros, temos apenas aquilo que merecemos

02/04/2014 - Lançamento da pedra Fundamental do Batalhão de Infantaria de SINOP-MT

Postado por militaresbrasil em 02/04/2014 | 21:58

27/03/2014 - Lançamento da pedra Fundamental do Batalhão de Infantaria de SINOP-MT


No dia 18 março, foi lançada, em SINOP-MT, a pedra fundamental da construção do Batalhão de Infantaria Mecanizado a ser instalado naquela cidade. Estiveram presentes na cerimônia o Governador do Estado de Mato Grosso - Silval Barbosa, o Comandante Militar do Oeste - General de Exército João Francisco Ferreira, o Comandante da 13ª Brigada de Infantaria Motorizada (13ª Bda Inf Mtz) - General de Brigada Carlos Alberto Maas, o Chefe do Centro de Operações do CMO - General de Brigada Elias Rodrigues Martins Filho, os Deputados Federais Nilson Leitão e Welligton Fagundes, os Deputados Estaduais Baiano Filho e Dilmar Dal'Bosco, entre outras autoridades.
Na ocasião do lançamento da pedra fundamental foi cantado o Hino Nacional Brasileiro e o General Ferreira e o Governador Silval Barbosa falaram à tropa e à sociedade. Ao findar da cerimônia, o capelão Militar do Comando da 13ª Bda Inf Mtz abençoou a atividade.
A tropa foi composta por pelotões do 44° Batalhão de Infantaria Motorizado (Cuiabá/MT), do 2° Batalhão de Fronteira (Cáceres/MT), do 18° Grupo de Artilharia de Campanha (Rondonópolis/MT) e do Tiro de Guerra de Sinop/MT.

fonte:  cmo

27/03/2014 - Quadro Especial

Postado por militaresbrasil em 27/03/2014 | 18:13

Quadro Especial: Deputado Pimenta encaminha carta para Presidenta Dilma em defesa da ampliação da legislação


Reconhecido pela classe como a principal liderança dos militares do Quadro Especial no Congresso Nacional, o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) segue com ações em defesa da classe. Nesta quarta-feira (25), Paulo Pimenta protocolou junto ao Palácio do Planalto uma carta para a Presidenta Dilma Rousseff com a finalidade de sensibilizar o Governo Federal sobre a necessidade de ampliação da legislação sancionada em outubro de 2013.

Na carta, conforme relatou Pimenta, foi sugerido que o Poder Executivo Federal promova ajustes na legislação, contemplando o efetivo da reserva, que não foi beneficiado com a nova lei. O parlamentar gaúcho ressalta que o Governo já demonstrou preocupação com a classe ao apresentar um projeto para atualizar o Quadro e agora com uma análise técnica pode aperfeiçoar ainda mais a legislação. “Sabemos das dificuldades orçamentárias, mas devido ao assunto tratar de uma das classes mais esquecidas dentro das Forças Armadas, insistimos na análise da matéria por parte do Governo Federal. Tal atitude é uma forma de reconhecer os bons serviços prestados por estes militares ao País. Lembro que os militares do Quadro Especial, que representam o povo brasileiro nas Forças Armadas, são exemplos de dedicação e empenho dentro das unidades militares em todo o Brasil”, destacou Pimenta.

No documento, Pimenta reconhece os esforços dos governos Lula e Dilma em assegurar mais justiça social ao povo brasileiro, principalmente para quem mais precisa. Por isso, segundo Pimenta, também foi proposto uma análise na legislação em vigor com intuito de viabilizar avanços aos militares do Quadro Especial da Aeronáutica e Marinha, que apresentam situação semelhante e não tiveram suas legislações atualizadas.


Fonte: paulopimenta.com.br

24/03/2013 - Policiais latino-Americanos combatem Criminalidade e protegem DIREITOS Humanos

Postado por militaresbrasil em 24/03/2014 | 06:50


Profissionalismo policial: os países do cinco de Autoridades Policiais da América Latina reuniram-se los Quito, Equador, Entre 10 e 12 de março, Parágrafo debatedor As Melhores Maneiras de combater o crime e, AO MESMO tempo, Proteger OS DIREITOS Humanos.  [Foto: Polícia Nacional do Equador]

Profissionalismo policial: Autoridades Policiais de cinco countries da América Latina reuniram-se los Quito, Equador, Entre 10 e 12 de março, parágrafo debatedor As Melhores Maneiras de combater o crime e, AO MESMO tempo, Proteger OS DIREITOS Humanos. [Foto: Polícia Nacional do Equador]

Por Holger Alava

Autoridades e Representantes das Forças Policiais de Equador, Chile, Peru, Brasil e Colômbia reuniram-se recentemente los Quito, Equador, parágrafo promover o Intercâmbio de Ideias sobre As Melhores Maneiras de combater o crime Organizado e, AO MESMO tempo, Proteger OS DIREITOS Humanos .
O seminário "O Papel da Polícia EO Impacto da Transversalização dos Direitos, Humanos Equatorianos NAS Forças Policiais da América Latina" ocorreu Entre 10 e 12 de março. Cerca de 50 autoridades participaram fazer Evento, Entre Diretores Nacionais e Regionais de Forças Policiais. FOI uma quarta Edição do Seminário.
Como autoridades discutiram As Melhores Maneiras de treinar Policiais parágrafo combater a Criminalidade e, AO MESMO tempo, Proteger OS DIREITOS Humanos. Tambem debateram OS Desafios Opaco como Forças Policiais enfrentam na Região. Os Departamentos de Polícia de Toda a América Latina estao lutando contra gangues e quadrilhas CRP, Como a Mara Salvatrucha, conhecida Como MS-13. Na Colômbia, como Forças de Segurança estao combatendo como Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), o Los Rastrojos EO Los Urabeños. Grupos mexicanos fazem narcotráfico, Entre ELES O cartel de Sinaloa de eo Los Zetas, operam los DIVERSAS regions da América Latina.
De Além de traficar Drogas, sos Grupos envolvem-se los OUTRAS Praticas criminosas, Como Tráfico de PESSOAS, extorsão, sequestro e Roubo de Petróleo.
Proteção dos DIREITOS Humanos
O seminário Mostra Opaco como Forças Policiais da Região estao se dedicando AO Aprendizado de Métodos de Treinamento MELHORES parágrafo a Proteção dos DIREITOS Humanos AO MESMO ritmo los Opaco combatem o crime, Disse Héctor Chávez Villao, Analista de Segurança da Universidade de Guayaquil.
"O Fato de como autoridades Policiais Regionais se reunirem par a Coordenação de Boas Praticas Policiais parágrafo a Aplicação da lei los SEUS countries E UMA Demonstração fazer do Nível de profissionalismo that essas Instituições alcançaram", Disse Chávez Villao. "A Cooperação ea Coordenação São As Melhores táticas de para combater o crime na Região, e E Muito Importante respeitar OS Limites da lei AO uti-las."
Ao se Dirigir EAo Participantes, o Diretor Nacional de Educação da Polícia Nacional do Equador, o distrital general Juan Carlos Rueda, incentivou "um Compromisso com OS Valores do Mais alto do Nível de para promover OS DIREITOS Civis e liberdades los UMA Sociedade em that uma coexistência Pacífica E uma norma ".
"Nosso Objetivo E implementar Estratégias de Liderança Corporativa na Proteção da Segurança Pública e estimular o Respeito AOS DIREITOS Humanos EO USO apropriado da Força na Realização de Operações", Disse Rueda.
Tambem participaram do Seminário o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), a Diretoria Nacional de Educação e OUTRAS diretorias da Polícia Nacional do Equador.
Cúpula da AMERIPOL
O Encontro los Quito ocorreu Quatro Meses apos uma Realização da Cúpula da Comunidade de Polícias das Américas ( AMERIPOL ) na Costa Rica.
A VI Cúpula da AMERIPOL FOI promovida los Novembro de 2013. Como autoridades Participantes discutiram Como aprimorar a Cooperação internacional ea Coordenação na Luta contra o crime Organizado.
Participaram fazer Evento Membros das Forças Policiais de Equador, Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana e Uruguai, Entre OUTROS.
Rodolfo Palomino, Diretor da Polícia Nacional da Colômbia, e Mario Zamora, Ministro de Segurança Pública da Costa Rica, estavam empreendedorismo como autoridades Opaco apresentaram Palestras na CONFERÊNCIA.
"Nos ESTAMOS nn deparando com UMA Transformação Do Comportamento Criminoso. Localidade: Não ESTAMOS Mais enfrentando OS Grandes cartéis, Os Grupos tornaram-se Menores. A situacao ESTA evoluindo e nn apresenta Novos Desafios, Os criminosos Localidade: Não respeitam NEM como leis NEM como Fronteiras ", Disse Palomino.
Desafios Comuns
Como autoridades Policiais Regionais combatem o crime Organizado POR Meio de Cooperação e Treinamento.
Por Exemplo, o Equador recentemente inaugurou hum  Laboratório criminoso  los Quito, Opaco proporcionará aos Investigadores Acesso como Mais Modernas Tecnologias parágrafo Ajuda-los a solucionar crimes.
O novo Laboratório FOI ABERTO oficialmente los 8 de janeiro de 2014. Oferece à Polícia um capacity De Checar rápidamente Impressões Digitais, obter Resultados de DNA e Realizar testes toxicológicos los vitimas de homicídio, parágrafo determinar se ELAS consumiram Drogas Antes de Serem Mortas.
O novo Laboratório also Conta com Sistemas automatizados parágrafo IDENTIFICAÇÃO Rápida de Vozes, um Sistema de averiguação de armas Opaco permite aos Investigadores comparar projéteis a determinadas armas e Câmeras com Tecnologia de ponta, Que Tiram FOTOS de Alta resolução de Cenas de crimes.
"Com ESSE novo Laboratório, Os Investigadores evoluíram fazer Foco tradicional parágrafo OS MÉTODOS Científicos e Técnicos, nos cais Quais d'Orsay como Provas PODEM serviços processadas e como respectivas Cadeias de procedures los Relação como Provas PODEM SER mantidas", Disse José Vizueta, professor de Direito Penal na Universidade Católica de Santiago de Guayaquil.
Como Forças de Segurança equatorianas realizaram Importantes Progressos na Luta contra o crime nn Ultimos Anos. Por Exemplo, a taxa de homicídios los TODO O País Teve hum decréscimo de 27% Entre 2008 e 2012, according to a Polícia Nacional do Equador. Ocorreram 2.683 assassinatos não EM Equador 2008 e 1884 homicídios EM 2012. Este FOI o Menor indice de homicídios não andino from País 2000.
Polícia peruana Combate garimpo ilegal e Exploração infantil
Em fevereiro de 2014, EM UMA Ação de para impedir o Tráfico ilegal de Ouro do Peru To Us Link parágrafos countries, como autoridades CRP enviaram Equipes Especiais de Policiais e Agentes da Receita Federal parágrafo OS Aeroportos de Lima, Arequipa, Cusco, Juliaca e Madre de Dios.
Ate O Fim de janeiro de 2014, Membros da Polícia Nacional do Peru, com Uma Ajuda de Dois helicopteros e 18 Agentes da Receita, expulsaram Mais de mil Trabalhadores de hum  garimpo ilegal  na Região de Tambopata. Como Forcas de Segurança destruíram Equipamentos de grande porte utilizados Pelos Hook mineiros ilegais. Os Agentes da lei permanecem há garimpeiros OS parágrafo evitar Que da retornem locais.
Como autoridades identificaram o Cartel de Sinaloa, o Los Urabeños EO Los Ratrojos Como OS principais Grupos fazer crime Organizado atuantes NAS minas ilegais. ESSES Grupos also São acusados ​​de Recrutar children parágrafo trabalharem nn garimpos e, Em muitos Casos, EM Prostituição.
Polícia colombiana Captura traficante de armas fazer Los Urabeños
Otras Forças de Segurança registraram Importantes Vitórias contra o crime Organizado Nos ultimos Anos.
Por Exemplo, los 18 de janeiro de 2014, Agentes da Polícia Nacional Colombiana (PNC) capturaram Gustavo Velasquez Rodríguez, conhecido Como " O Senhor da Guerra "e" Mão Forte ". Ele. E apontado Como o diretor traficante de armas de para o Los Urabeños, according to como autoridades.
Capturado los Medellín, Rodríguez E acusado pelas autoridades de crimes de homicídio, Participação com o crime Organizado e venda ilegal de armas.
De Além de vender armas de para o Los Urabeños, elemento E Suspeito de ter Fornecido armamento ilegal parágrafo Víctor Ramón Navarro, narcotraficante Ligado AO Exército confere Popular de Libertação (EPL), Segundo a PNC. Navarro also E conhecido Como "Megateo".
Fonte:  dialogo

21/03/2014 - Mais de 260 construções de não-índios já foram desocupadas na Terra Indígena Awá (MA)

Postado por militaresbrasil em 21/03/2014 | 21:18

Mais de 260 construções de não-índios já foram desocupadas na Terra Indígena Awá (MA)

De 16 grandes extensões de terra apropriadas por posseiros para criação de gado, sete estão desocupadas ou abandonadas

A saída dos moradores não índios da Terra Indígena Awá, no Maranhão está ocorrendo normalmente, sem incidentes registrados. Até o momento, do total de 427 construções na área, 263 (61,6%) estão desmontadas, abandonadas ou sendo desmontadas.

Das 16 grandes extensões de terra apropriadas por posseiros para criação de gado, sete estão desocupadas ou abandonadas, em seis os ocupantes estão terminando de retirar o material e duas, cujas sedes estão fora, mas possuem pastos dentro da Terra Indígena, ainda não alteraram as cercas conforme determinação judicial. Apenas uma está em processo de adequação da cerca.

Nos sobrevoos e deslocamentos terrestres realizados pelas forças federais da Operação Awá, já foram identificadas diversas casas abandonadas ou desmontadas. Está sendo feito um reconhecimento mais detalhado para confirmar a situação de 164 construções - ou 38,4% do total.

Aqueles que ainda estão dentro da Terra Indígena aguardam agendamento para sair. A Funai continua a recuperação de vias dentro e fora da área para permitir o acesso às famílias isoladas e das que saem por meios próprios e com o apoio das prefeituras locais.

Base

No dia 15 de março foi montada a terceira base da Operação Awá no povoado de Vitória da Conquista, com o objetivo de apoiar as atividades de desocupação da Terra Indígena. O povoado de Cabeça Fria está praticamente toda desmontado. As poucas casas que permanecem estão aguardando o apoio para a retirada. Como em Cabeça Fria, as casas em Vitória da Conquista também estão em fase de desmontagem.

No dia 14 de março, o Incra realizou uma reunião no povoado de Cabeça Fria com o objetivo de orientar famílias cadastradas e aptas ao assentamento no programa nacional de reforma agrária. O governo federal assentará as 224 famílias que se enquadram nos critérios do Plano Nacional de Reforma Agrária.

Para atender de imediato as famílias, o Incra disponibilizou dois assentamentos - Parnarama e Coroatá - com 570 lotes, o suficiente para incluir todos os posseiros. Na próxima sexta-feira (26) representantes dos agricultores familiares irão conhecer os dois assentamentos a convite do Instituto.

As famílias que serão assentadas terão ainda benefícios como Crédito Apoio e Fomento, Prona, vias de acesso, assistência técnica e políticas públicas como o Minha Casa, Minha Vida, Luz para Todos e Água para Todos. Todas as famílias de baixa renda notificadas receberão cestas básicas do governo federal.

A equipe interministerial da Operação Awa é formada pela Funai, Secretaria-Geral da Presidência da República, Ministério da Defesa (Exército e Força Aérea Brasileira), Polícias Federal, Rodoviária Federal, Força Nacional, ICMBio, Ibama, Gabinete de Segurança Institucional - ABIN, Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia – Censipam, MDA/ Incra e INSS.


FONTE: PORTAL BRASIL

19-03-2014 - 50 anos depois, "Marcha da Família" pedirá intervenção militar no Brasil

Postado por militaresbrasil em 19/03/2014 | 20:51

Convocada pelo Facebook, Marcha quer reviver protestos de 1964 (Foto: Reprodução/Facebook)Convocada pelo Facebook, Marcha quer reviver protestos de 1964 (Foto: Reprodução/Facebook)
Cinquenta anos depois, a Marcha da Família com Deus e pela Liberdade será reeditada em 2014. No dia 22, os organizadores querem reviver o dia histórico de 1964, quando milhares de pessoas foram às ruas protestar contra o governo do presidente João Goulart. Nesta edição, o intuito é a saída da presidente Dilma Rousseff por meio de intervenção militar.
De cunho nacional, o encontro é organizado pelo Facebook e vai acontecer simultaneament em diversas capitais brasileiras, a partir das 15 horas. Em Campo Grande, a concentração vai acontecer em frente ao Comando da 9ª Região Militar do Exército, na avenida Duque de Caxias. Em seguida, os manifestantes seguem em passeata, em trajeto ainda não definido.

Polêmica, a Marcha divide opiniões: de um lado, aqueles que enxergam no movimento uma tentativa de "Golpe Militar", que sucedeu os protestos de 64. Do outro, quem esclarece que o pedido é para que haja intervenção militar, conforme previsto na Constituição, e a “volta da democracia” que, segundo os organizadores, foi enterrada depois que o PT assumiu o governo em 2003, com a eleição de Lula.

Uma imagem que circula pela internet entre os organizadores e defensores da Marcha resume o objetivo do protesto:

Reprodução/FacebookReprodução/Facebook
Para acessar a página do evento no Facebook, basta clicar aqui.

fonte;  campograndenews

15/03/2014 - Presidenta orienta Defesa a não comemorar os 50 anos do golpe militar

Postado por militaresbrasil em 15/03/2014 | 09:25

JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


Dilma orienta Defesa a não comemorar os 50 anos do golpe militar

Chefes das Forças Armadas já orientaram a tropa a evitar comemorações no dia 31 de março, interna ou externamente; a preocupação é com os militares da reserva

Brasília - A presidente Dilma Rousseff sinalizou nesta sexta-feira, 14, que não quer celebrações dos militares da ativa por conta do aniversário de 50 anos do golpe de 31 de março. Dilma mobilizou o ministro da Defesa, Celso Amorim, que já conversou com os comandantes militares sobre o assunto.

Os chefes militares já haviam aproveitado as reuniões de seus Alto Comandos, que trataram também das promoções do final do mês, antes do Carnaval, para avisar aos comandados que evitassem qualquer tipo de polêmica sobre o assunto, para evitar choques com o Planalto. Os comandantes das forças já haviam repassado aos seus subordinados a ordem de não serem feitas comemorações fora dos quarteis e nem festejos internamente.

O tema, no entanto, não será deixado de lado pelas Forças Armadas. No Exército, por exemplo, o assunto será tratado por meio de palestra e divulgação de informações para a tropa apenas para que "as novas gerações" não se esqueçam do que chamam de "fato histórico", contextualizado à época da guerra fria.

O clima na ativa das Forças Armadas, até o momento, é de distensionamento. Não há movimentações para promover atos para exaltar a data, embora existam insatisfações em relação à condução dos trabalhos da Comissão da Verdade. Grande parte dos militares reconhece que houve avanços nos investimentos das Forças durante os governos Lula e Dilma.

Ainda há grande preocupação com o pessoal da reserva. Ainda não se sabe exatamente o que eles poderão promover para exaltar os 50 anos da "Redentora", expressão que usam para se referir ao 31 de março. Para evitar problemas com estes militares que já estão fora dos quartéis, mas que, quando querem, fazem barulho, os comandos das Forças Armadas fizeram contatos com os presidentes dos Clubes Militar (Exército), da Marinha e da Aeronáutica pedindo moderação nas manifestações. Vários grupos, no entanto, atuam de forma independente e não costumam atender pedidos dos comandantes.

Quem está no serviço ativo não pode se manifestar, por força do regulamento militar. Os da reserva não sofrem tantas restrições, mas também têm de seguir algumas regras e podem ser punidos inclusive com prisão por declarações que forem consideradas ofensivas à presidente da República.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...