4 de ago de 2013

04/08/2013 - Foro de São Paulo começa sob críticas das Forças Armadas


Representantes de governos de esquerda se reúnem no Brasil e discutem unidade

Para o general Marco Felicio, o alinhamento de esquerda prejudica o crescimento do Brasil
Para o general Marco Felicio, o alinhamento de esquerda prejudica o crescimento do Brasil
PUBLICADO EM 01/08/13 - 03h00
A maior articulação de forças de esquerda da América do Sul e Caribe, o Foro de São Paulo – que está na sua 19ª edição e reúne legendas e movimentos socialistas e comunistas – já está acontecendo e tem provocado críticas, inclusive das Forças Armadas brasileiras. Os militares creditam ao colegiado a culpa pelas “mazelas do Brasil”, desde as “dificuldades econômicas até a desordem social”.
A edição deste ano do Foro de São Paulo teve início na última segunda-feira, com a realização de vários seminários temáticos. Ao longo da semana, além de debates políticos sobre a situação de diversos países e continentes, cursos de formação política estão sendo ministrados. A abertura oficial do encontro está marcada para amanhã, com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A presidente Dilma Rousseff é esperada, mas sua presença não foi confirmada. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e o chefe de Estado da Bolívia, Evo Morales, também devem comparecer ao encerramento do evento, no próximo domingo.
Para os oficiais reformados, o Foro de São Paulo vem causando, junto à entrada do PT no poder, em 2003, um descompasso na economia, o que provocaria o sucateamento dos serviços públicos básicos e o caos social vivido durante as manifestações populares.
Na opinião do general Marco Felicio, o Brasil perde com o alinhamento de esquerda. “Durante a realização dos foros de esquerda, as políticas como a do Mercosul são concatenadas. Nossa economia ficou atrelada a países fracos comercialmente, enquanto acordos com grandes potências são preteridos. A Argentina impõe restrições ao Brasil, e a Bolívia assalta o nosso petróleo.”
Para o militar, o atraso provocado pelo Mercosul contribuiu para que o Brasil perdesse recursos. Para ele, a consequência disso é a falta de investimentos em saúde, educação, transporte público e infraestrutura.
O coronel reformado Carlos Miguez acredita que o foro busca remontar o cenário político do mundo que existia antes da derrubada do Muro de Berlim, em 1989. “O foro representa a solidificação de uma política bolivariana e a tentativa da esquerda de conseguir resgatar as políticas comunistas que desabaram junto com o Muro de Berlim”, argumenta Miguez.
Outra crítica do coronel são as operações que financiam exportações de bens e serviços de empresas brasileiras para Cuba, realizadas em 2012, com o carimbo de confidencial do Ministério do Desenvolvimento, da Indústria e do Comércio Exterior. “O país tem problemas sérios, mas financia, secretamente, Cuba. É esse tipo de discussão que se faz no foro”, sustenta.
Outro militar de alta patente que se manifestou à respeito do Foro de São Paulo foi o general Paulo Chagas. O oficial, em discurso recente, ressalta as reais intenções dos países que compõem o Foro de São Paulo. 
FONTE:  OTEMPO

Nenhum comentário:

Postar um comentário